Hoje, são mais de 100 mulheres impactadas pela parceria entre a MRV com a Ong Mulher em Construção, que fez da igualdade de gênero um novo modelo de negócio

 

Há um ano, a parceria entre MRV e Ong Mulher em Construção vem somando forças para introduzir mulheres no mercado da construção civil. O desafio é grande, visto que o setor continua sendo predominantemente masculino. Para isso, as alunas passam por uma série de oficinas focadas em serviços como pintura predial e de ceramista, sendo inseridas no dia a dia e nos canteiros de obra da empresa. Nesta sexta-feira, 22 de março, 40 mulheres de Porto Alegre, Canoas e São Leopoldo completaram esse ciclo. Elas se formaram e festejaram muito a conquista de uma qualificação.

Entre as felizes formandas estava a Ana Paula Vilanova, de 42 anos, com diploma de azulejista, e que estava desempregada há seis meses. Viu a chance de construir uma nova carreira através de uma postagem nas redes sociais. “É uma oportunidade para muitas mulheres mais velhas que não conseguem nova inserção no mercado de trabalho. Eu moro em Sapucaia do Sul e trabalho na obra da MRV de Canoas. Meu objetivo é seguir me qualificando e ganhando experiência nesta área”, afirmou.

Depois de experiências em caixa de supermercado, a Priscila Pires, de 27 anos, encontrou na construção civil a brecha que faltava para a independência financeira. “Estou me formando no curso de pintura predial e agora vou me capacitar em muitos outros cursos nesta área, pois percebi um campo de oportunidades muito extenso, Fiquei um ano desempregada e soube da Ong através de vizinhas também formadas”, relatou. Ela mora em Canoas e trabalha no canteiro de obras de São Leopoldo.

A Viviane Figueiredo, de 42 anos, também tem uma história parecida e comemorou muito a formatura. “Eu vi a oportunidade num jornal impresso, mas no começo não acreditei que era uma qualificação remunerada e ainda com chances de contratação. Eu trabalhava de auxiliar de cozinha e fazia faxina nas horas vagas para incrementar a renda. Estou muito orgulhosa de me formar pintora”, disse. Viviane é moradora de Viamão e trabalha em Porto Alegre na MRV.

O engenheiro da MRV, Marcos Barreto Assan, destacou a preocupação social da empresa ao trabalhar projetos de inclusão como este. “Quando começamos a parceria, eram apenas treze alunas. Hoje já são sete turmas que concluíram os cursos e mais de 100 mulheres formadas. A MRV constrói sonhos não apenas de quem compra a casa própria, mas também com projetos de inclusão social”, avaliou.