MRV mira sul do País e investimento deve superar R$ 1 bilhão

No Rio Grande do Sul, a empresa estima aplicar cerca de R$ 430 milhões até o fim de 2018

O foco da MRV Engenharia está na região sul do Brasil. No segundo semestre, foram lançadas mais de 11 mil unidades em oito cidades do Rio Grande do Sul, onze no Paraná e sete em Santa Catarina. Somente no RS, a previsão é de 4,5 mil unidades habitacionais a serem lançadas até o fim do ano com o investimento aproximado de R$ 430 milhões. A região deve ser responsável por uma fatia de 18% das vendas da construtora neste ano. Este percentual vem crescendo gradativamente, visto que em 2015 a participação era de 12%. Os investimentos foram notícia em GauchaZH, na coluna da jornalista Giane Guerra, que conversou com o gestor de obras da MRV Lucas Camarini.

O crescimento vem junto com a geração de empregos e renda. Até o final deste ano, a empresa projeta aumentar em cerca de 20% a sua força de trabalho na região, hoje formada por 3 mil trabalhadores diretos e indiretos. Para o diretor comercial da Regional Sul, Anderson Medeiros, o RS é foco importante da construtora, figurando entre os cinco Estados com maior volume de vendas da MRV. E a projeção é de crescimento. O executivo ressalta que estão previstos lançamentos em novas regiões como Viamão, região metropolitana, e Zona Sul da Capital, locais em que a companhia ainda não havia construído unidades. “Estamos muito felizes em chegar nestes espaços, além de aumentar a autuação em localidades que já estamos presentes como Sapucaia do Sul, Canoas, Novo Hamburgo e Caxias do Sul”, destaca.

Os empreendimentos feitos no Sul também tem como característica a preocupação e o cuidado com o meio ambiente. No bairro Vila Rosa, em Novo Hamburgo, a MRV construiu o Porto Trinidad, o primeiro a receber as instalações de energia fotovoltaica. A iniciativa tem como objetivo gerar economia para os moradores, visto que o sistema que aproveita potência solar pode compensar até 100% da energia utilizada em áreas comuns. A ideia consiste na instalação de células fotovoltaicas no telhado do empreendimento, convertendo intensidade solar em elétrica. A carga gerada é transmitida para a rede de distribuição da concessionária de energia local e, ao final do mês, a atividade produzida pelo sistema entra como saldo e é abatida da conta de luz mensal, podendo até mesmo cobrir quase a totalidade da conta do condomínio.

Outras obras também seguiram a mesma linha. Canoas conta com essa tecnologia no Porto Esmeralda, e Gravataí, no Parque Porto San Lucas. Nos próximos cinco anos, todos os empreendimentos da construtora terão o sistema de energia fotovoltaica e a estimativa é investir cerca de R$800 milhões na implantação neste período. Só em 2017, a potência solar fotovoltaica foi aplicada em 30% das unidades habitacionais lançadas.

Nos canteiros podem ser encontradas ainda outras ações ligadas à sustentabilidade. A preocupação da MRV está na criação de cooperativas de reciclagem em Porto Alegre e também em Gravataí, Canoas, São Leopoldo e Novo Hamburgo, que destina os materiais recicláveis, como papéis e plásticos em geral, sucatas metálicas e isopor (EPS), para separação de trabalhadores. O trabalho inicia em locais específicos para a ação nos canteiros das obras da construtora e após, os materiais são destinados às cooperativas, beneficiando mais de 160 famílias de catadores. Já foi possível verificar uma redução de 40% do valor total estimado para custo com locação de caçambas e destinação por obra da companhia. Reaproveitamento de concreto e madeira também são o foco, entre outras ações.

A notícia na imprensa

Portal Expansão 

Revista Plástico Sul

GauchaZH

Entrevista Giane Guerra

Jornais impressos:
2018-11-14T14:38:35+00:00 17/08/2018|MRV Engenharia|