A Fala Feminina de Nailê,
por ela mesma:

A série Fala Feminina estreia com a mulher que mais sabe segurar um sorriso verdadeiro durante tantas horas em um salto alto: Nailê Santos.

“Sucesso é fazer um balanço interno e dizer: Estou bem comigo, estou em dia”.

A publicitária Nailê Santos, 50 anos, gerente geral do Shopping Iguatemi Porto Alegre, combina doses de coerência e sabedoria para se reinventar na vida e nos negócios. Casada com o psiquiatra Carlos Santos, mãe de dois filhos, Pedro, 22, e Manuella, 12, ela está de bem consigo mesma. Nailê ama o que faz e considera o equilíbrio emocional a conquista mais importante em sua vida. Há seis anos atua como Gerente Geral do Iguatemi Porto Alegre, um dos principais shoppings do país, depois de mais de uma década respondendo pela gerência de Marketing do empreendimento. Nailê comanda uma equipe de mais de 300 pessoas e é uma das três mulheres que integram o seleto grupo de gerentes gerais dos 17 shoppings do grupo Iguatemi no Brasil. Tem como não sentir orgulho de uma cliente assim?

A Fala Feminina de Nailê, por ela mesma:

A rotina

– Três vezes por semana acordo às 6h e vou para a academia, onde treino por uma hora. Depois, vou trabalhar. Chego por volta das 8h30, 9h e fico no shopping geralmente até às 19h, 19h30. Três vezes por semana tento almoçar em casa, com a família.

Outras experiências

– Gostaria muito de ter morado no exterior. Uma carreira profissional em outro país é muito enriquecedor e a troca de experiências culturais me fascina.

Bancando a terapia

– Com 16 anos comecei a trabalhar como modelo. Me diverti muito com isso, gostava da função da moda e daquele universo. Fazia muita foto publicitária, comerciais, campanhas e ganhava uma boa grana. Aos 18 anos, inspirada na minha irmã que é psicóloga, decidi fazer terapia, que eu pagava com o meu dinheiro: das fotos e eventos onde eu trabalhava como recepcionista.

Força e sensibilidade

– Somos sensíveis e ao mesmo tempo fortes. Gosto muito de ser mulher. Se existir outra encarnação, gostaria de voltar mulher.

Outros prazeres

– Chega um momento na vida que a gente começa a pensar o que mais nos dá prazer, mas nunca tive um hobby. Adoro estar na minha casa e no meu trabalho.

O espelho

– Eu me achava bonita na juventude. Hoje, eu me gosto. Estou sempre querendo perder um ou dois quilos (risos), mas me gosto, apesar da gente ir sentindo que a idade começa a pesar.

Outras viagens

– Gosto muito de estar na minha casa, mas também adoro viajar. Gostaria de ter uma rotina que me permitisse viajar mais, fazer duas, quatro viagens por ano. Adoro conhecer lugares diferentes, culturas e hábitos. Curto acompanhar como a pessoa daquele lugar vive, de observar a rotina das pessoas. Queria conhecer a Tailândia, Japão, China, os países do Oriente me fascinam.

Outra persona

– Se não fosse o que sou trabalharia em algo voltado a analisar o comportamento humano. Seria psicóloga ou socióloga.

O sucesso

– Sucesso é fazer de verdade o que te dá prazer. Sou muito feliz com o que faço. Adoro isso aqui, me sinto realizada. Gosto de saber que alguma atitude minha pode fazer diferença na vida de alguém. Gosto da troca de energia com as pessoas, isso faz bem. Sucesso é fazer um balanço interno e dizer: estou bem comigo, estou em dia.

Momento difícil

– O momento mais difícil da minha vida foi a doença do meu pai, que teve Alzheimer. Durou tempo suficiente para mexer comigo. Eu tinha uma relação muito forte com ele. E ver um ser humano se destruindo aos poucos é uma coisa horrorosa. A partir daquela experiência, a finitude passou a ser algo que me impressiona muito. Passou a ser real. E também o medo de sofrer novamente o que já sofri.

Um ideal

– Não tenho um sonho grandioso, nem a fantasia de ganhar na loteria e viajar 365 dias por ano. Não acho que isso seja sinônimo de felicidade. Meu ideal é continuar bem comigo mesma.

Influência de mulher

– Muitas mulheres me influenciaram ao longo da vida. Lúcia Bastos foi minha professora de faculdade e minha mentora. Aprendi muito com ela sobre carreira e como pessoa. Ela é madrinha da minha filha e temos uma amizade muito grande.

Equilíbrio

– Sou muito adepta da psicanálise. Acho um dos maiores investimentos que se pode fazer na vida para conseguir equilíbrio.

Liderança

– O grande desafio é liderar pessoas de forma que elas trabalhem felizes e dêem o melhor resultado possível. Todos os negócios se tornaram mais complexos, o cenário está muito mais competitivo e a busca por maior produtividade cresceu muito. Equacionar essas demandas, manter o equilíbrio emocional e inspirar as pessoas é o que me move.

Veja mais artigos da Fala Feminina:

2017-09-15T10:48:46+00:00 01/03/2017|Fala Feminina|